Olimpíada de Tóquio é a mais cara da história dos Jogos Olímpicos

Orçamento é quase US$10 bilhões mais caro do que das Olimpíadas do Rio

Orçamento das Olimpíadas de Tóquio
Orçamento das Olimpíadas de Tóquio - Shutterstock

por Gabriela Campos
Publicado em 26/07/2021 às 16:39
Atualizado às 16:39

COMPARTILHEFacebook Finanças e EmpreendedorismoPinterest Finanças e Empreendedorismo

Se você também faz parte do time dos brasileiros que estão acordando cedo e dormindo tarde para acompanhar os Jogos Olímpicos do Japão, provavelmente já notou a profissional e gigantesca estrutura que foi montada para receber as competições. 

Das pistas de skate (alô, Rayssa!) às quadras de vôlei, das grandes piscinas dos centros aquáticos à estrutura coladinha ao mar para acompanhar o surf, o investimento do país asiático foi alto e, segundo informações obtidas pela Forbes, o maior da história de todas as Olimpíadas.

De acordo com informações do veículo, o orçamento dos Jogos de Tóquio bateu um recorde histórico ao chegar aos US$ 28 bilhões gastos. Para se ter uma ideia, o total gasto em Tóquio é cerca de US$ 4 bilhões maior do que o investido pela Rússia nas Olimpíadas de Sochi (US$ 21,9 bilhões) e quase US$10 bilhões a mais do que o gasto nas Olimpíadas do Rio (US$ 13,7 bilhões). 

Uma das razões apontadas para esse alto custo é a pandemia de Covid-19. O momento pandêmico pelo qual o mundo todo está passando acabou gerando novos custos por conta das medidas de segurança necessárias para a realização, além dos gastos envolvidos no adiamento do evento, que estava previsto para acontecer em 2020. A estimativa é que o país tenha perdido mais de US$ 5,7 bilhões com a postergação da data de início dos Jogos. “Renegociação e extensão de contratos e a manutenção de trabalhadores elevaram ainda mais os custos”, afirmou a Veja.

Além do elevado orçamento aquecido pela pandemia, os Jogos Olímpicos de Tóquio também acabaram prejudicados financeiramente por conta da ausência de público nos jogos. Estima-se que o Japão deixe de arrecadar cerca de US$ 800 milhões com a venda de entradas, além de outros US$ 2 bilhões que seriam arrecadados em restaurantes, hotéis e comércios espalhados pela capital japonesa. 

Leia também