Investir em seguro residencial pode ajudar a reduzir outras despesas da casa

Vem com a gente que nesse texto iremos mostrar algumas curiosidades sobre este tipo de seguro

Vale a pena ter seguro residencial
Vale a pena ter seguro residencial - Shutterstock

por Gabriela Campos
Publicado em 20/06/2021 às 14:00
Atualizado às 14:00

COMPARTILHEFacebook Finanças e EmpreendedorismoPinterest Finanças e Empreendedorismo

O seguro residencial, assim como a maioria dos seguros e planos de saúde, é visto como aquele serviço que é contratado com o intuito de não ser usado, afinal, ninguém contrata um serviço deste tipo esperando ansiosamente sofrer um assalto ou um incêndio, não é mesmo?

O que pouca gente sabe, porém, é que ao contratar um seguro residencial, o segurado passa a ter acesso não só à proteção do bem, mas também a serviços de assistência, os quais poderão gerar grande economia quando utilizados. “Além de proteger o patrimônio contra acidentes maiores, como possíveis incêndios, descargas elétricas, alagamentos ou roubos, o seguro residencial também pode ser um ótimo recurso para facilitar a resolução de outros problemas, uma vez que, dependendo do plano de seguro contratado, diversos tipos de assistência poderão ser agregadas ao plano e serem executados de forma gratuita”, explica o corretor de seguros Amauri Campos.

Um dos exemplos que Campos dá é com relação à manutenção de aparelhos de ar condicionado. “Se a pessoa faz um seguro residencial simples ela automaticamente tem acesso à assistência de reparo na linha branca, marrom e ar condicionado. Se ela tiver um ar condicionado em casa, ela pode solicitar que seja feita a limpeza do aparelho de graça, por exemplo. Se ela for contratar esse serviço de modo particular, ela irá gastar, no mínimo, por volta de R$ 200”, explica.

Além deste tipo de serviço de reparo, há diversos outros serviços como assistência hidráulica, elétrica, desentupimento, cobertura provisória de telhados e até funeral pet. “É importante frisar que proteções e assistências variam de seguradora para seguradora, mas no final o cliente pode escolher qual é o tipo de proteção mais interessante para ele. A lista é grande! Algumas seguradoras oferecem até assistência bike, com resgate e apoio ao ciclista”, conta Campos. 

Proteção de bens em trânsito

Outra opção dos seguros residenciais é a proteção de bens em trânsito. Campos explica que essa proteção é um serviço que vem atrelado ao seguro residencial, mas que é contratado como um plus e que o seu valor cobrado extra varia de acordo com valor do bem em trânsito incluído. “Se a pessoa comprou um celular de R$ 5 mil, por exemplo, e deseja incluí-lo como bem em trânsito daquela residência, ela consegue. Dessa forma, se este aparelho for roubado na rua ou em qualquer outro local, o segurado pode acionar o seguro para reaver o valor do bem”, explica o corretor. 

Campos ainda reforça a importância do cliente pesquisar a seguradora que mais se encaixa em sua necessidade para aquele momento, já que alguns serviços e coberturas podem variar de empresa para empresa, como é o caso do serviço de proteção de bens em trânsito.

Fazendo as contas

Como o título dessa matéria diz, o foco aqui é mostrar como investir em um seguro residencial pode ajudar a reduzir outras despesas, por isso, o Finanças Pessoais & Empreendedorismo pediu ao corretor uma simulação de uma cotação de seguro residencial. Vamos às contas?

Para uma residência de rua, avaliada em R$ 610 mil, com cobertura de seguro completa (não incluída a proteção de bens em trânsito), o segurado teria que desembolsar aproximadamente R$ 465 de prêmio (valor a ser pago pela contratação do serviço / sujeito à alteração dependendo da localização).

Se nesta residência o proprietário ou locatário tiver um aparelho de ar condicionado, recomenda-se que ele faça a limpeza do mesmo durante o ano. Por isso, vamos anotar aqui os R$ 200 que ele gastaria nesse serviço se ele fosse contratado de forma particular.

Além disso, durante o ano o segurado também precisará fazer a limpeza da caixa d’água, a qual custará a partir de R$ 120. Juntando os dois gastos, os quais não foram de serviços surpresas, e sim de manutenções necessárias e já previstas, o segurado já terá gasto pelo menos R$ 320.

Agora vamos adicionar aqui um possível problema na geladeira, o qual demandou a presença de um técnico para ajuste e também uma limpeza nos ralos e sifões da casa. Por menos de R$ 145 esses serviços não saem, não é mesmo? Pronto: o seguro anual está pago!

“Quando o segurado tem a noção de todos os serviços que está adquirindo junto ao seguro residencial e os utiliza, acaba que o seguro se paga. Dessa forma, o segurado garante uma proteção contra acidentes maiores praticamente de graça, uma vez que os outros serviços utilizados ao longo do ano fazem a conta equilibrar”, finaliza Campos.

Leia também