O que um investidor faria com o prêmio de R$ 1,5 milhão do Big Brother Brasil?

No BBB fictício do Finanças e Empreendedorismo, o investidor João Paulo Moreira foi o vencedor e explicou onde ele aplicaria o dinheiro

BBB
BBB - Reprodução/Globo

por Gabriela Campos
Publicado em 03/05/2021 às 09:00
Atualizado às 09:00

COMPARTILHEFacebook Finanças e EmpreendedorismoPinterest Finanças e Empreendedorismo

O que você faria, hoje, se recebesse o prêmio de R$ 1,5 milhão do Big Brother Brasil inteirinho em sua conta? Alguns dariam início ao planejamento das viagens pelo mundo, outros ao sonho da casa própria, mas e que tal investir este dinheiro? 

Pensando nisso, nossa equipe conversou com o João Paulo Moreira, assessor de investimentos, sobre qual destino ele daria hoje ao prêmio do BBB no âmbito dos investimentos. 

Já de início, Moreira explica que com o valor do prêmio, o investidor tem em mãos a possibilidade de montar um portfólio de investimentos bem diversificado, fazendo esse patrimônio render e se perpetuar ao longo do tempo. Ou seja: Camilla, Fiuk ou Juliette poderão ter em mãos, na noite desta terça-feira (4), uma "bolada" capaz de trazer uma maré de tranquilidade financeira por um bom tempo.

Confira abaixo como João Paulo Moreira, vencedor fictício do BBB do Finanças e Empreendedorismo, investiria o prêmio de R$ 1,5 milhão e quanto ele acumularia num cenário hipotético após 5 anos!

Definindo seus objetivos

No momento do planejamento desse portfólio de investimentos, o investidor precisa definir de forma clara quais são seus objetivos em relação à três pontos iniciais:

1) Liquidez: Por quanto tempo vou deixar esse dinheiro investido? 1 ano, 5 anos, 10 anos?

2) Risco: Qual percentual de oscilação negativa desse dinheiro consigo tolerar? 2%, 10%, 20%?

3) Retorno esperado: Qual percentual de retorno ao ano eu tenho como objetivo? 4%? 7%? 10%?

Para este exemplo, foi definido um portfólio com possibilidade de liquidez de 5 anos, risco de 10% e retorno esperado de 8% ao ano. 

Este portfólio criado hipoteticamente por Moreira contém: 50% em renda fixa, 20% em fundos imobiliários, 20% em fundos multimercados macro e 10% em fundos de ações. Vamos entender mais sobre essas escolhas? Confira abaixo!

- Renda fixa, os ativos com alta previsibilidade de retorno

Alocando R$ 750.000,00 do prêmio em renda fixa, que são os ativos com previsibilidade de retorno, o investidor já sabe de forma antecipada qual taxa terá, por exemplo: 6% ao ano, 4% + IPCA ao ano, 140% do CDI ao ano, etc.

“Nessa classe o investidor poderá distribuir o valor investido entre títulos de emissão bancária, títulos públicos e títulos de crédito privado, com indexadores pré e pós-fixado. Aqui, o investidor busca menos risco e mais previsibilidade, deixando a volatilidade do portfólio reduzida”, explica Moreira.

- Fundos imobiliários, investimento em imóveis no Brasil todo 

Com R$ 300.000,00 alocados em fundos imobiliários, que são veículos de investimento que podem comprar imóveis ou títulos de crédito atrelados ao setor imobiliário, o investidor pode diversificar aqui seus investimentos em fundos de lajes corporativas, de galpões logísticos, de shopping centers, de desenvolvimento e recebíveis imobiliários.

“Essa classe possui risco médio e terá participação também média na carteira do investidor”, sintetiza Moreira.  

- Fundos multimercados macro, os ativos que buscam ganhar dinheiro em qualquer cenário

Fundos multimercados macro são veículos de investimento que buscam ganhar dinheiro em qualquer cenário e em qualquer fator de risco. Ou seja: dinheiro a todo custo, literalmente. 

“Dentro dos fundos multimercado, contudo, há várias estratégias, mas aqui focaremos em multimercados macro, que buscam ganhar dinheiro em vários mercados, como juros, moedas e ações”, explica o assessor de investimentos, que alocaria nesta categoria outros R$ 300.000,00.

Assim como os fundos imobiliários, os fundos de multimercados macro possuem risco médio e participação na carteira do investidor também média. 

- Fundos de ações, investimento nas empresas de capital aberto

Por fim, mas não menos importante, chegamos neles: os amados e temidos fundos de ações. 

Aqui, Moreira comenta que, por conta do alto risco, a opção dele seria a de deixar apenas uma pequena parte do prêmio investido. “Como investidor, neste exemplo eu alocaria R$ 150.000,00 em fundos de ações, que são fundos que buscam ter retorno conforme o desempenho das ações de empresas de capital aberto, que compõem a carteira do fundo. Essa classe possui bastante risco, por isso a pequena participação no portfólio”, explica.

Nessa modalidade, o investidor poderá distribuir o capital entre fundos long biased e long only, com foco em ações brasileiras ou ações globais (sem ou com exposição cambial).  

Valeu a pena investir, João?

Cinco anos após o João Paulo, vencedor fictício do BBB do Finanças e Empreendedorismo, investir o valor do seu prêmio no portfólio exemplificado acima, nós queremos saber: e aí, João, valeu a pena investir?

Seguindo as possibilidades do portfólio, o qual trazia um retorno esperado de 8% ao ano, ao final dos cinco anos de investimento o prêmio de R$1,5 milhão poderia chegar ao valor de R$ 2.203.992,12. Contudo, se levarmos em consideração os 10% de risco, os quais estavam também descritos no exemplo, João teria transformado o seu prêmio de R$ 1,5 milhão em um capital de R$ 1.983,592,90, ou seja, teria acumulado com os investimentos cerca de R$480 mil. 

Ou seja: valeu a pena, né, pessoal?!

IMPORTANTE: Nesta matéria, trouxemos apenas algumas possibilidades de investimentos, por conta disso não entramos em nomes específicos de ativos. Lembramos também que a rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura e este conteúdo não se trata de indicação de investimento! Para um portfólio individual de investimentos, o adequado é que o investidor busque ajuda profissional adequada, para que todo o processo seja feito de forma eficaz.

Leia também