O que é o Open Banking e por que estamos falando tanto sobre isso?

Sistema é fiscalizado pelo Banco Central e promete trazer benefícios para os correntistas

Open Banking
Open Banking - Shutterstock

por Gabriela Campos
Publicado em 18/06/2021 às 15:07
Atualizado às 15:07

COMPARTILHEFacebook Finanças e EmpreendedorismoPinterest Finanças e Empreendedorismo

Falta menos de um mês para o início da segunda fase do Open Banking, a qual, segundo o Banco Central, será focada nos clientes e… 56% da população brasileira ainda não sabe o que é Open Banking.

Se você também ainda não conhece muito sobre o sistema ou se, assim como 37% dos brasileiros, imagina que a novidade é um novo banco digital, siga a leitura e descubra de uma vez por todas o que é esse "tal" Open Banking. 

O que é o Open Banking?

Os dados que apontamos acima são reais e fazem parte de uma pesquisa realizada pelo C6 Bank/Ipec, a qual deixou claro que o termo Open Banking ainda é pouco explorado no vocabulário e na vida dos cidadãos brasileiros. 

Seguindo a definição dada pelo Banco Central (BC), órgão regulador da novidade, o Open Banking é um sistema financeiro aberto que permitirá aos clientes de produtos e serviços financeiros o compartilhamento de suas informações entre diferentes instituições autorizadas pelo Banco Central, além da movimentação de suas contas bancárias a partir de diferentes plataformas e não apenas pelo aplicativo ou site do banco.

De forma bem resumida, o Open Banking é exatamente o que a sua tradução literal para o português traz: um banco aberto, onde, a partir da permissão do cliente, todas as instituições autorizadas pelo BC passam a ter acesso às suas informações financeiras.

O que o Open Banking traz de novo e de positivo ao cliente?

Sabe aquela taxa bancária que é cobrada por determinada instituição por um serviço X ou Y? Quando o cliente adere ao Open Banking e permite o compartilhamento de informações, as demais instituições autorizadas pelo BC terão acesso aos dados dos clientes da concorrência e poderão oferecer melhores serviços ou condições. “Todo esse processo é feito em um ambiente seguro e a permissão poderá ser cancelada pela pessoa sempre que ela quiser”, afirma nota publicada pelo BC.

Para o especialista em regulação José Luiz Rodrigues, a novidade trará o foco das instituições para o consumidor. “Isso fará com que as empresas mudem o seu foco, antes direcionado essencialmente na estruturação de produtos e serviços, e passe a olhar mais para o consumidor. Com o Open Banking, a tendência é que haja mais concorrência e, como acontece em casos de concorrência acirrada, as instituições terão que melhorar seus serviços, canais de atendimento e reduzir taxas para atrair mais clientes”, pontua Rodrigues.

Controle nas mãos dos clientes

No dia 15 de julho, o sistema entra em sua segunda fase, momento em que o cliente, se quiser, entrará em cena com seus dados e informações. Por conta disso, é essencial que os brasileiros conheçam e entendam as possibilidades oferecidas pelo Open Banking. 

“É preciso reforçar que o compartilhamento ocorre apenas se a pessoa autorizar, sempre para finalidades determinadas e por um prazo específico. E será possível para o cliente cancelar essa autorização a qualquer momento em qualquer das instituições envolvidas no compartilhamento”, explica nota do BC.

Para autorizar o compartilhamento das informações, o cliente deve entrar em contato com a instituição, a qual, de maneira clara e objetiva, deve informar qual é a finalidade desse compartilhamento, ou seja, ao fornecimento de qual produto ou serviço ele se refere.

“Um dos princípios básicos do Open Banking é de que o cliente é o dono dos seus dados. Sendo assim, tudo o que for realizado com os dados de cada pessoa, será feito somente com sua autorização. Então, ela precisa saber quais informações estão disponíveis e quais instituições financeiras as acessam”, explica Rodrigues.

Instituições participantes

Não são todos os bancos ou instituições financeiras que fazem parte do ecossistema do Open Banking. Somente as instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo BC estão incluídas no sistema. 

Os maiores bancos do país, como Banco do Brasil, Itaú e Caixa Econômica Federal são participantes obrigatórios do Open Banking. Bancos digitais como o Neon, Banco Inter e Nu Pagamentos também estão na lista de participantes.

Para acessar a lista na íntegra, acesse o site oficial do Open Banking Brasil e selecione a opção “Quem Participa”.

Leia também