Já tem data! Pix Saque e Pix Troco entram no ar em novembro

Novidades visam trazer mais comodidade para os usuários e benefícios às instituições participantes

Pix Saque e Pix Troco
Pix Saque e Pix Troco - Shutterstock

por Gabriela Campos
Publicado em 02/09/2021 às 16:30
Atualizado às 16:30

COMPARTILHEFacebook Finanças e EmpreendedorismoPinterest Finanças e Empreendedorismo

O Banco Central anunciou, na tarde desta quinta-feira (02), a aprovação e a data de início da sequência evolutiva do Pix: o Pix Saque e o Pix Troco. Os novos produtos irão ao ar ainda este ano, no dia 29 de novembro.

Durante a live de apresentação dos produtos, a equipe do Banco Central frisou que a implementação das novidades não possui caráter obrigatório, ou seja, se um estabelecimento aceita Pix, ele não terá que aderir às novidades obrigatoriamente.

Além disso, os estabelecimentos que optarem por ofertar os serviços terão autonomia para decidir quais cédulas deixarão à disposição e também o seu período de disponibilidade. “Com relação às cédulas, o comércio poderá escolher quais cédulas eles irão utilizar e quando o serviço estará disponível. A ideia não é criar uma dificuldade, nem um tipo de custo ou problema adicional”, explicou Carlos Eduardo Brand, chefe-adjunto do Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro do Banco Central.

Como regra geral, porém, as transações do Pix Saque e do Pix Troco não poderão passar de R$ 500,00 durante o dia, e de R$ 100,00 no período noturno (das 20 horas às 6 horas). Contudo, os estabelecimentos também poderão ofertar limites menores, caso considerem mais adequado à rotina do negócio.

Confira abaixo mais detalhes de como funcionarão as novidades: 

- Pix Saque 

A ideia é que os usuários do Pix possam realizar saques de cédulas em pontos que tiverem o serviço disponível, os quais podem ser um caixa eletrônico, uma padaria ou uma loja de departamentos.

“Para ter acesso aos recursos em espécie, basta que o cliente faça um Pix para o agente de saque, em dinâmica similar à de um Pix normal, a partir da leitura de um QR Code mostrado ao cliente ou a partir do aplicativo do prestador do serviço”, explica a nota. 

- Pix Troco

O Pix Troco possui uma dinâmica quase idêntica à do Saque, a diferença entre eles é que o saque das cédulas, no Troco, pode ser realizado durante o pagamento de uma compra ao estabelecimento - como um troco mesmo, sabe?

Por exemplo, você compra algo do estabelecimento e, ao invés de passar pelo Pix apenas o valor da compra, você faz a transação do valor da compra, adicionando o valor a ser sacado também (compra + saque).

Os clientes terão que pagar para utilizar os serviços?

Depende! Para pessoas naturais (incluindo aqui os empresários individuais, como os MEIs), não haverá cobrança de tarifas para a utilização dos serviços de Pix Saque ou Troco em até 8 transações mensais. 

O comerciante irá ganhar algo por disponibilizar o serviço?

Sim! O comércio que disponibilizar o serviço receberá uma tarifa que pode variar de R$ 0,25 a R$ 0,95 por transação, a depender da negociação com a sua instituição de relacionamento. A instituição de relacionamento do usuário sacador é quem fará o pagamento dessa tarifa. 

A ideia é que além da taxa a ser paga, “a oferta do serviço diminua os custos dos estabelecimentos com gestão de numerário, como aqueles relacionados à segurança e aos depósitos, além de possibilitar que os estabelecimentos ganhem mais visibilidade para seus produtos e serviços (“efeito vitrine”)”, explicou o BC.

Leia também