Venda de desapegos: a renda extra escondida no fundo do armário

Confira 5 dicas de como fazer dinheiro com os itens parados em casa

Desapegos
Desapegos - Shutterstock

por Redação FE
Publicado em 01/08/2021 às 15:00
Atualizado às 15:00

COMPARTILHEFacebook Finanças e EmpreendedorismoPinterest Finanças e Empreendedorismo

Está precisando de uma graninha extra e não faz ideia do que fazer para conseguir? Bom, e se dissermos que essa renda extra está dentro da sua casa, parada e sem uso. Parece mentira, mas é isso que a pesquisa “Brasil Digital: itens parados em casa”, realizada pela OLX, identificou.

Segundo o levantamento, 63% dos brasileiros possuem ao menos um produto parado em casa que poderia ser vendido: um jogo de louças herdado da avó e que nunca usado, uma poltrona que serve apenas para jogar as roupas em cima ou até mesmo aquela colcha guardada no fundo do armário e que nunca foi usada. Lembrou de algum item aí agorinha, né?

O mais legal disso tudo, porém, é que além da graninha extra que o desapego de um determinado item parado em casa pode gerar, essa ação impacta também o planeta. “Comprar e vender itens de segunda mão é uma forma de repensar o consumo. É um passo que parece pequeno, mas que pouco a pouco impacta em um futuro muito mais sustentável”, explica Marina Zaiantchick, da TAG2U, empresa paulistana especializada em decoração sustentável através da compra e venda de produtos usados.

Para quem se animou com a ideia de desapegar, separamos abaixo algumas dicas preciosas que te ajudarão nessa jornada.

1) É hora da varredura

Separe um dia para verificar tudo que está parado em casa e que pode ser útil para outras pessoas. É hora de dar uma olhadinha nos móveis espalhados pela casa, no guarda-roupa, armários, cristaleiras, estantes e gavetas. Faça uma varredura!

2) Faça uma lista 

Durante a varredura, anote todos os itens, onde eles estão guardados e quais as condições deles. Em caso de conjuntos ou jogos de peças, anote a quantidade de cada coisa (quantos pratos, xícaras, copos, talheres etc). 

3) Fotografe

Aproveite a luz natural ou tire fotos em ambientes bem iluminados, com bom enquadramento e foco. A câmera do celular é suficiente, desde que você tenha uma boa quantidade de imagens, não só do item inteiro, mas de detalhes também. Se houver algum detalhe como manchas, furos ou outras avarias, fotografe também, pois o comprador deve saber com clareza. 

Caso bata alguma dúvida quanto ao melhor tipo de foto a ser tirada, dê uma olhadinha em outros anúncios do mesmo tipo de produto e veja qual mais chama a sua atenção. Se uma foto de determinado modo te gerou interesse, tente fazer o mesmo com os seus produtos. 

4) Saiba onde vender

As redes sociais podem ser excelentes canais de venda, mas requerem tempo para divulgação, para responder aos potenciais compradores e propostas de negociação. 

Se você estiver sem tempo para isso, existem algumas empresas que realizam todo esse trabalho de venda para você - tirando uma determinada comissão do valor vendido, claro -. Optar por uma dessas empresas pode ser interessante para quem está com o dia a dia mais corrido e com as caixas de desapego gritando por atenção no cantinho da sala. 

5) Pesquise os valores de mercado

Antes de precificar suas peças, caso decida vender por conta própria, pesquise em grupos e sites de itens usados quais são os valores médios praticados. Isso evita que você peça um valor muito alto e acabe com as peças encalhadas, ou um preço muito baixo e ganhe menos do que poderia. Sempre leve em conta o estado das peças a serem vendidas. 

Com informações de: TAG2U

Leia também