Salário mínimo ideal chega a quase R$ 6 mil

Cálculo realizado estima que o salário mínimo ideal para uma família de 4 pessoas teria que ser de R$ 5,9 mil, cinco vezes maior do que o pago no país.

A previsão é de que o salário mínimo em 2022 seja próximo de R$ 1.200
A previsão é de que o salário mínimo em 2022 seja próximo de R$ 1.200 - Shutterstock

por Loyane Lapa
Publicado em 09/12/2021 às 16:00
Atualizado às 16:00

COMPARTILHEFacebook Finanças e EmpreendedorismoPinterest Finanças e Empreendedorismo

Regularmente, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) realiza uma pesquisa para avaliar o custo de itens da cesta básica, salário mínimo ideal e o preço da cesta básica por horas trabalhadas.

E o resultado para o mês de novembro foi que um salário mínimo ideal seria de R$ 5.969,17, quase chegando aos R$ 6 mil. De lá para cá, esse salário mínimo ideal sofreu várias alterações, chegando a um aumento de 30% desde o começo da pandemia.

Esse salário mínimo ideal corresponde a cinco vezes o piso nacional vigente, ou seja, o salário mínimo oficial, de R$ 1.100.

Segundo o Dieese,  o cálculo é feito levando em  consideração uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças, além de considerar também serviços básicos como moradia, saúde, energia elétrica, entre outros itens essenciais e importantes.

Outros dados divulgados pelo órgão dizem respeito ao custo da alimentação. Cerca de nove cidades registraram um aumento no custo da cesta básica, a maioria na região Norte e Nordeste do Brasil.

Entre elas, as maiores altas foram registradas nas cidades de Recife (8,13%), Salvador (3,76%), João Pessoa (3,62%), Natal (3,25%), Fortaleza (2,91%), Belém (2,27%) e Aracaju (1,96%). Fora desse eixo, as cidades de Florianópolis (1,40%) e Goiânia (1,33%) também apresentaram elevação no custo médio.

As reduções de cesta básica mais importantes aconteceram em Brasília (-1,88%), Campo Grande (-1,26%) e no Rio de Janeiro (-1,22%).

Ainda assim, existem cidades que a cesta básica chegou a custar cerca de R$ 700, é o caso de Florianópolis, que custa R$ 710,53. Outras cidades já registram valores próximos desse patamar, como São Paulo, com R$ 692,27; Porto Alegre, R$ 685,32; Vitória, R$ 668,17; e Rio de Janeiro, R$ 665,60.

Por fim, o tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta, em novembro, ficou em 119 horas e 58 minutos, maior do que em outubro, quando foi de 118 horas e 45 minutos. 

Vale lembrar que quando se compara o custo da cesta com o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social (7,5%). Com isso, o trabalhador remunerado pelo salário mínimo comprometeu, em novembro, 58,95% do seu saláriolíquido para comprar os alimentos básicos para uma pessoa adulta.