Quer financiar um imóvel? 3 dicas de ouro para te ajudar no planejamento

Faça um bom planejamento e tenha um financiamento imobiliário sem surpresas

Financiamento imobiliário
Financiamento imobiliário - Shutterstock

por Redação FE
Publicado em 02/08/2021 às 16:57
Atualizado às 16:57

COMPARTILHEFacebook Finanças e EmpreendedorismoPinterest Finanças e Empreendedorismo

As gerações mudam, os hábitos de consumo também, mas comprar a casa própria ainda continua sendo o sonho de muitos brasileiros. Segundo dados da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) e da Fundação Instituto de Pesquisas (Fipe), a previsão em 2021 é que o setor seja novamente aquecido e que as vendas de imóveis aumentem 35%.

Contudo, apesar das previsões positivas do mercado, o aumento da Selic e o cenário de instabilidade econômica exigem cuidados e muito planejamento financeiro por parte dos compradores e futuros donos da casa própria. Afinal, ninguém quer que o sonho da casa própria se transforme em um pesadelo. 

Pensando nisso, Renato Caporrino, CEO e fundador da ATTA, separou três dicas para ajudar no planejamento de quem pensa em comprar um imóvel ainda esse ano. Confira:

1) Faça um checklist da documentação

Para ter acesso ao crédito imobiliário, você irá passar por uma análise criteriosa do seu histórico financeiro e também de outros documentos que comprovam se você está apto ou não a arcar com as parcelas do financiamento. 

“Todo o processo de concessão é bastante burocrático, então nós incentivamos que todos os clientes separem seus documentos com antecedência e organizem por ordem de necessidade. Primeiro serão analisados os documentos de histórico bancário, depois, alguns dados pessoais do solicitante e do vendedor do imóvel. Ter tudo em mãos antes das etapas de análise começarem já garante mais agilidade nos processos e maiores chances de entender e arrumar possíveis surpresas durante as análises”, explica Caporrino.

 2) Pesquise sobre taxas e cenários do financiamento a longo prazo

Entender as taxas de juros para além dos seus valores atuais é imprescindível em um processo de contratação de crédito imobiliário. Nesse cenário, é importante optar por contratos com taxa pré-fixada indexadas à Taxa Referencial (TR), uma vez que, dessa forma, há garantia de que as parcelas e o saldo devedor não aumentem repentinamente ao longo do processo de pagamento.

Renato explica que caso o financiamento não seja realizado com taxa pré-fixada e indexados à TR, a taxa de juros do contrato não mudará de acordo com a Selic. “Nesses casos, o cliente poderá amortizar em momentos que ele tiver maior liquidez financeira, por exemplo. Agora, se o contrato for pactuado com indexadores atrelados à inflação, ou à poupança, é importante que o cliente tente amortizar seu saldo devedor sempre que possível, pois as variações de mercado impactarão na sua parcela e saldo devedor”, comenta Caporrino.

3) Entenda possibilidades de amortização e portabilidade de financiamento

 Uma opção para quem recorre ao financiamento imobiliário é a amortização de parte do valor, que, basicamente, significa quitar um valor determinado de parcelas em menos tempo que o previsto inicialmente. Isso possibilita que os juros programados para cobrança mensal sejam reduzidos, diminuindo o valor total a ser quitado.

Já a portabilidade é a transferência da dívida inicial para outra instituição financeira. Esse processo pode ser realizado por qualquer Pessoa Física que já tenha um contrato de Financiamento Imobiliário em alguma instituição financeira e que tenha sido aprovada pela análise da Instituição para qual deseja migrar o seu financiamento. No geral, a portabilidade possibilita o acesso a juros menores e pode reduzir também o prazo total de pagamento e o valor das parcelas.

Uma dica bônus do executivo é que, ainda que as expectativas para a Selic sejam de aumento, este é um momento propício para financiamentos de imóveis, uma vez que as taxas ainda estão baixas. Porém, é importante ter em mente o valor do crédito imobiliário que será concedido antes de procurar o imóvel, assim é possível se manter dentro do orçamento, sem comprometer mais dinheiro no processo.

Leia também