Independência financeira: como chegar lá?

A independência financeira é uma das principais metas de todo mundo. Analise agora algumas maneiras de transformar esse sonho em realidade!

A independência possui um significado diferente para cada pessoa
A independência possui um significado diferente para cada pessoa - Shutterstock

por Loyane Lapa
Publicado em 20/10/2021 às 16:30
Atualizado às 16:30

COMPARTILHEFacebook Finanças e EmpreendedorismoPinterest Finanças e Empreendedorismo

A independência financeira possui muitos significados, e eles se distinguem de pessoa para pessoa. Para uma pessoa, a independência pode ser simplesmente ter uma reserva de emergência e para outros pode ser apenas viver sem precisar trabalhar…

Mas, de forma resumida, a independência financeira é ter um orçamento financeiro equilibrado, em que seus gastos são menores do que seus ganhos. Dependendo da dimensão dessa reserva, você pode viver apenas de renda. Ótimo, não acha?

Pois é! Embora esse seja o desejo de muitos, poucos são aqueles que sabem como chegar até lá. E, para isso, é necessário muito planejamentoe força de vontade para tornar essa meta em uma realidade palpável. 

Separamos para você algumas informações para você que deseja alcançar a sua independência. Confira abaixo e veja o que você pode fazer para alcançá-la.

Pessoa realizando cálculos para conquistar sua independência financeira
É importante ter noção de todos os seus gastos mensais para planejar a independência financeira!

Mapeie todas as suas despesas

O primeiro passo para você que almeja ser financeiramente independente no futuro é mapear suas despesas. Muitos se esquecem que de 30 em 30 reais é possível chegar a mais de R$ 1 mil em fatura nos cartões de crédito. 

Nesse sentido, o mapeamento de gastos pode ajudar você a perceber o que é indispensávelou não nas suas finanças pessoais. 

Planejamento financeiro

Depois de mapear seus gastos, é hora de colocar a mão na massa! Crie um orçamento detalhado com todas as suas despesas mensais.

Defina quais são as essenciais, as recorrentes, as que foram somente uma emergência e tente entender os padrões de gastos financeiros que você costuma ter em um mês.

Você pode fazer isso em uma planilha ou em aplicativos que possuem essa mesma função. Assim, você já passa a ter ciência dos seus gastos.

Estabeleça limites e mude hábitos

Após definir quais são seus gastos, é o momento de entender maneiras de como gastar menos. Uma forma que pode auxiliar você a entender seus limites é o método 50-15-35, que pode ser uma mão na roda no início.

Inicialmente, priorize liquidar suas dívidas! Encontre maneiras de negociá-las, cumpra os prazos determinados e crie metas para isso. Não ter dívidas é vital para fazer o seu dinheiro sobrar e futuramente aplicá-lo em investimentos.

Caso você não tenha dívidas, mas tenha hábitos que podem ser cortados, a recomendação é que você os abandone. Determinados hábitos de consumo podem destruir a sua vida financeira, então é importante que você mude.

Se você não consegue mudar de imediato, comece aos poucos. Crie metas ou determine dias para consumir o que gosta. Pontue quais são os seus sonhos e o que você precisa fazer para que ele se torne real. Progresso é progresso!

Idealize metas de curto, médio e longo prazo

Divida todas as coisas que você deseja em períodos. Primeiro, priorize aquelas que são mais fáceis de finalizar, que são as de curto prazo.

Aqui, você pode incluir as dívidas que você quer terminar de pagar e coisas mais urgentes. Vale lembrar que metas de curto prazo são aquelas que você consegue finalizar em até um ano.

Agora, pense em metas de médio prazo, que podem levar de 2 a 3 anos para serem realizadas. Aqui, você pode incluir uma viagem internacional, sua festa de casamento ou outras metas que levam mais tempo e exigem uma determinada quantia de dinheiro.

Por fim, pense nas metas de longo prazo. Aqui, você pode incluir a compra de um imóvel ou despesas que você provavelmente levará bastante tempo para liquidar.

Crie a sua reserva de emergência

Tão importante quanto planejar é realizar. E para isso, será necessário criar a sua reserva de emergência. Pense em como você pode ser pego de surpresa com uma demissão, por exemplo.

Às vezes, é fácil encontrar um novo emprego. Mas não é sempre que você consegue uma outra oportunidade de imediato. Por isso, você precisa ter uma reserva financeira para equilibrar as finanças nesse período.

Quando der, invista o seu dinheiro

Depois que você já tiver a sua reserva financeira, invista o seu dinheiro. Mas, para isso, é necessário que você entenda o seu perfil de investidor. Sabendo quais são os investimentos adequados para o seu perfil, fica mais fácil de investir!

Uma outra peça fundamental dentro da área de investimentos é justamente a diversificação de carteira. Alterne entre investimentos de renda fixa e renda variável e faça aplicações de acordo com a sua realidade financeira.

Tendo noção de quais são os passos que você precisa seguir para conquistar a sua independência financeira torna o seu sonho mais real. Por isso, não desista: ter sua independência financeira é possível!

Fonte:  Blog Nubank.

TAGS