Licença PETernidade: o que é e por que empresas estão aderindo à ideia

Movimento almeja a conscientização sobre o bem-estar animal e reforça o quanto a relação pet e tutor é positiva

Licença PETernidade
Licença PETernidade - Shutterstock

por Gabriela Campos
Publicado em 28/05/2021 às 09:00
Atualizado às 09:00

COMPARTILHEFacebook Finanças e EmpreendedorismoPinterest Finanças e Empreendedorismo

A rede de pet shop Petz lançou recentemente a Licença PETernidade, um movimento que tem como compromisso a licença de dois dias para o colaborador que adotar um pet. A ideia do movimento é que o colaborador utilize estes dias de licença para focar na adaptação do pet em casa e também para outras necessidades que o animalzinho recém-adotado pode vir a ter, como uma ida ao veterinário para tomar vacina, por exemplo. 

Além da licença, o projeto, criado pela Ogilvy Brasil e liderado pela Petz, contempla também uma curadoria de conteúdo nos canais digitais trazendo informações para o tutor que acaba de levar um novo pet para casa e que não faz ideia de como cuidar daquele bichinho. 

Empresas dos mais variados setores já aderiram à causa, como a Vivo, Ogilvy e a consultoria Great Place to Work. “Com a pandemia, percebemos que a adoção de pets aumentou muito e essa licença ajudará na adaptação no novo lar, que deixou de ser apenas lar e virou também escritório. Além disso, há vários estudos que apontam a relação direta entre a convivência com um pet e o impacto positivo no bem-estar geral, incluindo a saúde mental, um pilar que vem ganhando atenção especial nas empresas”, diz Lilian Bonfim, diretora de recursos humanos do Great Place to Work.

No segmento pet, outras três grandes marcas também abraçaram o movimento: a marca de acessórios Zee.Dog, e as marcas de nutrição animal Purina e Royal Canin – esta última que, inclusive, já possui licença semelhante desde 2018 no Brasil.

“Nosso desejo é o de que cada vez mais pessoas experimentem os incríveis benefícios oriundos da relação humano-animal e sabemos que para que ela seja saudável desde o início a dedicação de um tempo de qualidade para recepção e adaptação do novo pet em casa faz toda a diferença. Além disso, sabemos que o novo tutor também necessita cuidar da saúde do animal e ter esse tempo disponível para a ida ao Médico-Veterinário, por exemplo, faz toda a diferença. Estamos muito felizes em nos juntarmos a este movimento”, conta Carlos Martella, Diretor de Marketing da Royal Canin Brasil.

De acordo com Ana Cecília de Paula e Silva, head de Marketing e Comunicação Institucional da Petz, a ideia é que o movimento alcance cada vez mais empresas, levando à frente o seu objetivo: promover a reflexão sobre o bem-estar animal e a adoção responsável, além de ajudar a fortalecer a conexão entre pets e tutores. “A ideia de reunir empresas importantes dos mais diversos setores da sociedade é um interesse genuíno na conscientização sobre o tema. Quanto maior a adesão, maior o número de pets bem acolhidos nos primeiros dias no novo lar”, destaca a executiva.

Entenda como funciona a Licença PETernidade 

A Licença PETernidade tende a funcionar da seguinte forma: ao realizar a adoção de um cão ou gato, os colaboradores deverão notificar o RH da empresa, apresentando as devidas documentações que comprovam a iniciativa, e então passam a usufruir do benefício de dois dias livres para cuidar do pet.

Vale lembrar que cada companhia que adere ao programa tem a liberdade de estabelecer como funcionará a sua própria mecânica e informar seus colaboradores internamente.

A Petz preparou, com o apoio de médicos veterinários e especialistas em comportamento animal, uma curadoria de conteúdo para o novo tutor, com orientações e dicas para o período de adaptação, no endereço https://licencapeternidade.petz.com.br/

“Na página, disponibilizamos muito conteúdo, como as adaptações mais importantes e as particularidades entre cães e gatos, informações sobre a importância do check-up e prevenção de doenças, ideias de brincadeiras, e até checklists para tutores sem tanta experiência”, finaliza Ana Cecília.

Leia também