Auxílio Emergencial: “Vamos renovar por dois ou três meses”, afirma ministro

Prorrogação do Auxílio foi confirmada pelo ministro durante evento virtual

Ministro da economia, Paulo Guedes
Ministro da economia, Paulo Guedes - Shutterstock

por Gabriela Campos
Publicado em 09/06/2021 às 16:54
Atualizado às 16:54

COMPARTILHEFacebook Finanças e EmpreendedorismoPinterest Finanças e Empreendedorismo

O ministro da economia, Paulo Guedes, sinalizou, durante conferência virtual do Bradesco BBI em Londres, que ocorreu na noite de terça-feira (8), a prorrogação dos pagamentos do Auxílio Emergencial por mais dois ou três meses

De acordo com Guedes, a ideia é que o Auxílio se estenda até o término da vacinação da população adulta. “Os governadores estão dizendo que em dois ou três meses a população adulta estará toda vacinada, então nós vamos renovar por dois ou três meses o Auxílio e logo depois entraremos então com o novo Bolsa Família, já reforçado”, afirmou o ministro.

Dessa forma, o Auxílio 2021, que antes estava previsto para durar quatro meses e ter os pagamentos finalizados em junho, deve passar a ter a duração de seis ou sete meses, sendo finalizado em agosto ou setembro. Os valores das parcelas, por sua vez, devem seguir da mesma forma: de R$150 a R$375, variando de acordo com os requisitos de cada modalidade. 

Vale frisar, porém, que a prorrogação do Auxílio foi confirmada pelo ministro, mas ainda não foi oficialmente publicada no Diário Oficial.

Com relação ao aprimoramento do novo Bolsa Família citado pelo ministro, este viria “sob linhas conservadoras do ponto de vista fiscal e, ao mesmo tempo, com responsabilidade social”, segundo nota divulgada pelo Ministério da Economia. Contudo, ainda não há maiores detalhes dessa mudança.

O Ministério da Economia informou ainda que uma estratégia ligada aos recursos obtidos com as privatizações está sendo estudada pelo governo a fim de ampliar o apoio às pessoas mais vulneráveis. A ideia, chamada por Guedes de “Fundo Brasil”, ainda está em análise, mas prevê a destinação de uma parte destes recursos aos mais pobres. 

Leia também